Morro do Abel recebe obras de drenagem e estabilização

Prefeito e seu secretariado fiscalizaram as intervenções na manhã de hoje (9)

Quinta-Feira, 09/08/2018 | Superintendência de Comunicação .

A Prefeitura, por meio do Programa Comunidades de Angra, está implantando no Morro do Abel um sistema de drenagem e estabilização de encosta. O prefeito vistoriou o andamento das obras, na manhã desta quinta-feira (9), acompanhado dos secretários de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, de Obras e Proteção e Defesa Civil. Agentes do Programa Comunidades de Angra também participaram da visita.
- Esta obra é um desdobramento dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos pelo Programa Comunidades de Angra junto aos moradores do bairro. Foi a própria população que apontou esta ação como prioridade e, apesar de todas as dificuldades, estamos avançando – frisou o prefeito, informando que, após a conclusão das obras, será construída uma área de lazer para a comunidade ao lado da Escola Municipal Professor José Américo Lomeu Bastos.
O secretário de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade destacou a importância da parceria com os moradores para o avanço das conquistas que favorecerão o bem comum.
- Com o recomeço dos trabalhos do Programa Comunidades de Angra, houve uma grande discussão entre o Governo e os moradores que culminou na elaboração de um plano de ação. Os resultados já estão surgindo, como esta obra de contenção, que estava desde 2010 para ser executada e foi deixada de lado pelos governos passados, e o sistema de drenagem, que vai minimizar os riscos das casas localizadas no entorno da área – explicou o secretário.
Iniciada no mês passado, a obra tem um prazo de 120 dias para ser concluída. Com o custo de R$572.462,32, está sendo realizada com recursos próprios, vindo dos royalties.
- Após investigações geológicas, geotécnicas e serviços de topografia e sondagem, optamos por implantar um sistema de drenagem através de canaletas, considerando o relevo do local. O objetivo é sanar a erosão provocada pelas águas pluviais superficiais e por uma drenagem utilizando Drenos Horizontais Profundos (DHP), provocada pela infiltração no terreno e também pelas chuvas. Com esse novo sistema de drenagem serão evitadas as pressões hidroestáticas, decorrentes do acúmulo de água no subsolo, que poderiam ocasionar o rompimento do talude (encosta) – explicou o secretário executivo de Obras:
- Já na parte baixa do talude, foi dimensionada uma contenção através de solo grampeado, visando não ocorrer escorregamento de encosta e promover a estabilidade ao sistema utilizado. No projeto serão utilizadas também duas áreas em concreto projeto atirantado com o objetivo de impermeabilizar e estabilizar as encostas – finalizou.