Projeto Eco-óleo recolhe óleo de cozinha

Parceria entre prefeitura e cooperativa melhora gestão ambiental e dá destino adequado ao material. Escolas e estabelecimentos comerciais participam

Domingo, 12/05/2019 | Superintendência de Comunicação .

Jogar o óleo vegetal de cozinha no ralo da pia é uma prática relativamente comum, mas que infelizmente traz prejuízo ao meio ambiente e até ao sistema de esgotamento sanitário. Pensando na conscientização ambiental e em melhores práticas de gestão do ambiente, a Prefeitura de Angra dos Reis firmou um acordo de cooperação técnica com a Cooperativa de Trabalho e Reciclagem de Óleo Serra Mar – Coopbrilho. É o projeto Eco-óleo, coordenado pelo Instituto Municipal do Ambiente de Angra dos Reis (Imaar), por meio de sua Superintendência de Meio Ambiente.

O foco do projeto é potencializar o sistema de coleta de óleo de cozinha no município. A cooperativa está fornecendo recipientes (bombonas) para escolas municipais e também para estabelecimentos comerciais interessados em participar. No caso das unidades de ensino, além do óleo utilizado no preparo de alimentos na própria escola, a intenção é envolver toda a comunidade do entorno, fazendo com que pais e mães de alunos, além de demais moradores, levem o óleo de suas casas para o descarte na escola, no recipiente do Eco-óleo.

– Com isso nós trabalhamos a educação ambiental entre os alunos e também contribuímos para reduzir a necessidade de manutenção da rede de esgoto, já que o óleo de cozinha despejado na pia é algo que desgasta e sobrecarrega a rede – explica o superintendente de Meio Ambiente.

Com relação à questão ambiental, o despejo do óleo de cozinha compromete seriamente o ecossistema aquático. A iniciativa da prefeitura, além de ter custo zero para o município e contribuir para os cooperativados, também aumenta a participação de Angra dos Reis no ICMS Ecológico, que é um mecanismo tributário, do governo do estado, que possibilita aos municípios que cumprem determinados critérios relacionados a cuidados ambientais terem acesso a parcelas maiores de arrecadação que aquelas que já têm direito. Ou seja, “conforme o município melhora sua gestão ambiental, mais recurso ele ganha”, explica o superintendente.

Unidades de ensino e estabelecimentos comerciais do continente e da Ilha Grande participam do projeto. À cooperativa cabe o recolhimento regular do óleo acumulado e sua correta destinação, que tem sido, principalmente, a reutilização no fabrico de sabão. Para quem tiver interesse em participar ou obter mais informações, o telefone da Superintendência de Meio Ambiente é (24) 3368-4435, e o da cooperativa é (24) 3367-2033 (diskoleocostaverde@yahoo.com.br).