Plano de Emergência Nuclear é exercitado em Angra dos Reis

Em função da pandemia, neste ano, não haverá movimentação externa durante a ação

Quarta-Feira, 20/10/2021 | Superintendência de Comunicação .

Nesta quarta (20) e quinta-feira (21), acontece, em Angra dos Reis, o Exercício Parcial Integrado de Resposta à Emergência e Segurança Física Nuclear, do qual a Prefeitura de Angra participa, por meio da Defesa Civil Municipal. O objetivo da ação é avaliar a eficácia da estrutura de resposta e dos procedimentos do Plano de Resposta Integrada a Evento de Segurança Física Nuclear e do Plano de Emergência Externo (PEE) da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA).

A cerimônia de abertura do exercício aconteceu ontem (19), no auditório da Defesa Civil, com a participação do prefeito e do secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

- O que estamos fazendo aqui é atender bem à população nas questões relacionadas à segurança nuclear. Sempre defendi melhorias na Rodovia Rio-Santos para a execução do plano de emergência e estou muito satisfeito com o andamento do processo das obras de duplicação, numa iniciativa brilhante do Governo Federal, do presidente e do Ministro da Infraestrutura – frisou o prefeito de Angra.

Para o representante do Governo Federal, o grande objetivo do exercício é a melhoria dos protocolos e atuações das 80 entidades e agências envolvidas no plano de emergência.

- Entendemos que este planejamento deve ser feito anualmente, com a finalidade de proteger vidas e o meio ambiente, com uma resposta rápida, oportuna e segura, em caso de um acidente ou incidente – declarou o General.

EXERCÍCIO PARCIAL EM 2021

Tradicionalmente, nos anos ímpares, são realizados exercícios gerais, que incluem uma simulação da evacuação de áreas vizinhas à central nuclear. No entanto, devido à pandemia, neste ano está sendo realizado novamente um simulado parcial, sem a movimentação externa.

Durante os dois dias serão ativados e testados os centros de emergência nuclear, de forma a avaliar a capacidade de comando, coordenação e controle entre organizações envolvidas. O simulado prevê a mobilização de uma rede de cerca de 80 instituições, com centenas de profissionais, nos três níveis de governo: municipal, estadual e federal.

O cenário é composto de vários desafios criados de maneira que possibilitem à simulação alcançar as diversas classificações de emergência e níveis de segurança física nuclear. Este ano, o exercício simulará a evacuação e a abrigagem da população diante de uma situação de pandemia, bem como a interface do órgão de segurança pública em apoio a um evento de segurança física na CNAAA.

O planejamento das ações do exercício foi realizado pelo Comitê de Planejamento de Resposta a Situações de Emergência Nuclear no Município de Angra dos Reis (Copren/AR) e pelo Comitê de Planejamento de Resposta a Evento de Segurança Física (Copresf/AR), que reúnem representantes da Eletronuclear; da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen); das polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar do Estado do Rio de Janeiro; da Secretaria Nacional de Defesa Civil; das defesas civis do Estado do Rio de Janeiro e dos municípios de Angra dos Reis e Paraty; do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ); da Agência Brasileira de Inteligência (Abin); do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama); e do Ministério da Saúde, entre outros órgãos.